O Café da Praia – Lucy Diamond

Editora Arqueiro, 2019, 329 p.

Oi, gente!

Hoje vim falar do livro O Café da Praia da Lucy Diamond. Eu paguei uns dez reais, no máximo, por ele no Kindle. Foi numa daquelas promoções de e-book do dia. Inclusive estou gostando muito disso que algumas editoras estão fazendo, de disponibilizar um e-book diferente todo dia a um preço acessível. No caso, eu não gostei muito desse livro, mas gostei da promoção. A leitura foi meio morna, sabe? Foi como uma história sem apogeu. Trata-se de uma sobrinha, a Evie, que herda o café da tia após a sua morte. Aí ela fica naquele dilema de “o que fazer com o café?”, já que ela mora em Oxford e o café fica na Cornualha, na praia de Carrawen Bay, há umas cincos horas de distância. Sendo que ela ama a praia e não gosta muito das perspectivas dela em Oxford, então fica meio que na cara que ela deve apostar no café. No meio disso tudo, tem questões como o relacionamento dela, a falta de dinheiro, a solidão, as dificuldades de um recomeço, de mudar de cidade, aquele básico drama familiar. Tem umas coisas nesse livro que cooperam para a morosidade da leitura, como por exemplo, aquele papo de ovelha negra da família querendo provar que é capaz e, também, o conto da mocinha salva por aquele que vem a se tornar o seu amor. Enfim, alguns personagens são até legais, mas não é o caso da protagonista e dos vilões, se assim posso dizer. Tem, ainda, um segredo que perpassa quase o livro inteiro e nem é lá essas coisas todas. O que gostei mesmo foi das paisagens relatadas no livro e do foco na vida em comunidade, em como o café representa algo significativo naquela região. Isso, sim, foi bom de ver. Bem, se vocês quiserem ler façam isso sabendo que na maior parte do tempo a leitura vai se arrastar e o final é só um pouco bom e nada surpreendente. É isso.

A gente se fala!

A Pequena Livraria dos Sonhos – Jenny Colgan

Editora Arqueiro, 2019, 300 p.

Oi, gente!

O livro A Pequena Livraria dos Sonhos da Jenny Colgan é daqueles que a gente ler sem pressa, parte por parte da história. Tiveram horas que a leitura fluiu mais rápido, outras mais devagar. Mas, no geral, é bem leve, tranquila, para a gente relaxar. A protagonista é a Nina, uma bibliotecária que está recomeçando na vida, enfrentando medos e dificuldades como é de se esperar diante das circunstâncias. Ela é uma jovem, desempregada, querendo apostar em um sonho, mudando de cidade, com quase nada de dinheiro, solitária e cheia de amor por livros. A única coisa que não gostei muito na personagem é que ela idealiza demais os romances e isso termina por prejudicar o desenrolar de sua história com aquele que verdadeiramente será capaz de amá-la. E a gente fica esperando muito para que eles fiquem juntos. Algo muito bom de se ver é o cenário da trama: a Escócia! Fiquei encantada com a descrição das paisagens, da cultura, da forma como é retratada a vida nas chamadas Terras Altas. Tudo muito lindo! Deu até vontade de conhecer. Outra coisa interessante é que coloca em questão a situação das bibliotecas e do acesso aos livros e como isso pode movimentar uma comunidade. Gostei da leitura! Se estiver cansado, mas com muita vontade de ler algo, talvez esse livro possa te ajudar. Só mais um detalhe: eu não paguei nada por ele, consegui no dia em que a editora disponibilizou de graça no formato e-book. Agora eu vivo de olho em e-books gratuitos ou na promoção e quase toda semana tem algum disponível. Já tenho outra leitura me aguardando!

A gente vai se falando!

O Dossiê Pelicano – John Grisham

Editora Arqueiro, 2020, 432 p.

Oi, gente!

Hoje venho falar do livro O Dossiê Pelicano do John Grisham. Havia muito tempo que eu queria ler algo desse autor, talvez porque eu tenha formação na área jurídica e ele é considerado um mestre dos thrillers jurídicos. O fato é que o livro é bom mesmo! Sua fama não é à toa. O enredo é bastante intrigante e instigante, capítulo por capítulo as páginas vão sendo passadas sem que se queira parar de ler. Depois eu descobri que existe até um filme baseado na história. O caso envolve a morte de dois juízes da Suprema Corte americana e um dossiê produzido por uma aluna de direito da Universidade de Tulane na Luisiana. O material era apenas uma teoria que a Darby Shaw havia investigado e quase foi descartado, mas seu professor e amante Thomas Callahan repassa para um colega que trabalha junto ao FBI e daí por diante uma sucessão de fatídicos acontecimentos se desenrolam e a vida da Darby começa a ficar em risco. Perseguições, mortes, emboscadas, fugas, luto, conspiração, tudo isso envolve a trama. A CIA, o presidente americano, seu assessor, um misterioso empresário, um famoso escritório de advogados, um grande jornal de Washington, fontes na Casa Branca, são apenas alguns dos cenários e personagens dessa história. São muitos detalhes! Na corrida por se manter viva Darby Shaw só vai confiar em uma pessoa: o repórter investigativo Gray Grantham. E ele também vai ter que confiar nela se quiser publicar o melhor trabalho de sua vida. Bem, esse livro tem muitas nuances, mas o romance certamente fica em segundo plano. Posso dizer que é bem escrito, mas não é uma leitura leve. De toda forma, vale a pena conhecer ao menos essa obra do John Grisham.

A gente vai se falando!

Jogos Perigosos – Danielle Steel

Editora Record, 2021, 280p.

Olá, gente!

É com muito entusiasmo que hoje venho falar do livro Jogos Perigosos da Danielle Steel. Foi a primeira vez que li algo da autora e me surpreendi! Muito boa a história, personagens interessantes, tudo na medida certa. A leitura flui, é cativante. Eu não conseguia largar o livro, tanto que li tudo em 24 horas. Além do que, foi a primeira vez que li um thriller político e não imaginava que fosse tão bom. Esse é o primeiro livro da autora nesse estilo. Ela é mais conhecida por seus romances, sendo que eu nunca li nenhum deles. Então, comprei esse livro arriscando e terminou dando certo. A história envolve uma grande jornalista, Alix Phillips, seu cameraman, Ben Chapman, sua filha Faye, a morte de um senador, a viúva, o vice-presidente dos EUA, a CIA, um informante no Oriente médio, um atentado, ameaças de morte, romance, drama familiar e ótimos cenários. O roteiro é completo e bem amarrado. A vontade é de ler mais. Já estou esperando pelo próximo thriller político da autora e já vou providenciar novas leituras nesse estilo. Só digo a vocês, leiam esse livro! Vale cada página!

A gente se fala!

Te devo uma – Sophie Kinsella

Editora Record, 2020, 420 p.

Oi, minha gente!

O livro sobre o qual vim falar hoje posso dizer que foi um dos mais rápidos que li recentemente, apesar da grande quantidade de páginas. Isso não é necessariamente uma coisa boa. Eu fiquei agoniada para terminar e ver no que a história ia dar. Pois bem, Te devo uma, da Sophie Kinsella, é um livro com personagens não muito cativantes. E isso perdura por quase toda a história. A própria protagonista, Fixie Farr, irrita por diversas vezes a quem está lendo. A forma como ela interpreta as coisas, a maneira como lida com os irmãos, como alimenta uma paixão sem nenhum cabimento. Eu diria que as únicas coisas mais legais nela é a responsabilidade com o negócio da família, uma loja de utilidades domésticas, e o respeito que nutre pelo falecido pai. Aliás, o contexto familiar é o grande cenário da história, que tem por pano de fundo, além do romance, a relação entre Fixie e seus irmãos. A irmã, Nicole, vive no mundo da lua, completamente desconectada da realidade. O irmão, Jake, tem mania de grandeza e vive para aparecer e humilhar os outros. Coitados dos funcionários e clientes da loja, que têm de aturar por um tempo as maiores bizarrices dessas duas pessoas. O cara mais legal da história é Sebastian, futuro par romântico de Fixie. Esse, sim, é um personagem cativante, com uma postura legal, sensato, pés no chão. Assim também é a cunhada de Fixie, Leila, e sua melhor amiga Hannah. Vocês vão gostar de conhecê-los. Enfim, passei a leitura toda querendo chegar ao final para ver se os personagens e o enredo melhoravam, se a história faria mais sentido. Sinceramente, comprei esse livro com alguma expectativa, pois seria minha primeira leitura de algo escrito pela Sophie Kinsella. Mas, se os outros livros dela se parecerem com esse, não tenho a menor vontade de ler novamente algo da autora. Se vocês tiverem alguma outra indicação dela, que seja melhor do que essa, posso até pensar numa nova chance. Só não garanto nada!

Vamos nos falando!

Para Nova York, com amor – Sarah Morgan

Editora Harlequin, 2018, 384 p.

Oi, gente! Vim hoje dar notícias sobre uma série de livros que comecei a ler: Para Nova York, com amor, da autora Sarah Morgan. Só não sei se vou continuar a acompanhar as histórias. Pois é, não me agradei muito não, sabe. O primeiro livro é “Amor em Manhattan” e conta sobre o romance entre a protagonista Paige Walker e o melhor amigo de seu irmão, Jake Romano. Acontece que achei muita coisa meio clichê demais. Ele é um Ceo, bem-sucedido, não quer compromisso, tem um trauma em relação à mãe, tem fama de pegador, faz e acontece, mas é gente boa. Ela, teve que enfrentar um problema grave de saúde muito cedo, nessa época se apaixonou pelo Jake e há anos mantém essa paixão meio escondida. Aí tem a questão do irmão, que fez o cara prometer que nunca ia se envolver com sua irmã porque sabia que ele ia machucá-la. Paige é superprotegida pela família. Tem também um grupo de amigas que ressaltam o valor da amizade, estão sempre ali, uma para a outra, enfrentam desafios profissionais juntas, montando sua própria empresa na área de eventos. Até que, nessa parte, me lembrou outra série, só que melhor se comparada a essa, que é a Quarteto de Noivas da Nora Roberts. Enfim, no começo a leitura foi um pouco devagar, depois engrenou, depois ficou devagar de novo. Terminei o livro querendo terminar mesmo para poder ler o segundo da série, cujo romance já começava a dar sinais neste primeiro e me pareceu mais interessante. O segundo livro, Pôr do sol no Central Park, tem como protagonistas o irmão de Paige, Matt Walker e uma de suas melhores amigas, Frankie Cole. Na verdade, o Matt é um fofo, paciente, inteligente e insiste em lidar com todos os percalços para chegar ao coração da Frankie. Ela, por sua vez, tem uma visão realista e um tanto pessimista do amor e vive à sombra de alguns traumas familiares. Uma coisa muito bacana é que alguns outros personagens começam a aparecer para dar margem às próximas histórias da série e os cenários também, nesse livro, me cativaram mais. Cabe destacar que em algumas partes o livro retrata a questão da violência doméstica e de relacionamento abusivo. A parte final é que me cansou um pouco, com um drama meio desnecessário entre o casal. Então, por que eu acho que provavelmente não vou continuar a ler a série? Fora a coisa meio clichê demais, nesse estilo de leitura já li outros autores com melhores enredos, por exemplo, a própria Nora Roberts, a Emma Chase, talvez a Lisa Kleypas e com certeza a A. C. Meyer, autora brasileira. Ah, e as edições apresentam alguns erros em palavras do texto. Eu acho isso tão chato, parece que não foram feitas com cuidado. É isso, vou investir em outros livros, desbravar outras histórias e essa série aqui deve ficar para depois ou talvez não mais.

A gente vai se falando!

A Livraria dos Achados e Perdidos – Susan Wiggs

Editora Harlequin, 2020, 368 p.

Oi, minha gente!

Vim aqui falar sobre “A livraria dos achados e perdidos” da Susan Wiggs. Comprei esse livro seguindo uma indicação do Clube Entre Romances e uma das coisas que mais me chamou atenção foi a capa. Achei uma das mais bonitas que já vi. Comecei a ler com certa expectativa, acreditando que seria uma boa história. De fato, é, mas deixou a desejar em alguns aspectos. Tudo começa com um desastre envolvendo pessoas próximas à protagonista Harper, a qual se vê diante de muita dor, perda e dívidas. Traz também a situação de seu avô, diagnosticado com demência, bem como desafios da vida profissional e o dilema entre fazer o que tem que ser feito ou arriscar fazer algo melhor. Com a tragédia, Harper se vê obrigada a assumir a responsabilidade de administrar uma livraria, cujo nome dá título ao livro, e termina largando o emprego do qual não gostava, mas que trazia segurança financeira, para poder encarar esse desafio. No meio de tudo isso, há o desenrolar de uma paixão, as dificuldades de cuidar de um parente doente que está lhe esquecendo, o tempo para digerir o luto, a ansiedade e a aflição de não conseguir dar conta. Tem também um mistério envolvendo a livraria e um possível tesouro, o que pra mim foi um dos melhores aspectos do livro. Foi bom ver, ainda, a forma como a autora tratou sobre família, amizades, honestidade e sobre como retornar às origens pode ser algo de grande valor! O que não gostei foi que o romance demorou a engrenar, com poucos diálogos, e o mistério também ficou mais para o final. Eu gostaria de ter visto mais sobre isso. Uma coisa interessante é que este é um livro que promove dentro da sua própria história a leitura e a importância disso em todas as idades, além de chamar a atenção para a situação das livrarias atualmente, frente ao mercado de compras online. Como um todo, posso dizer que o livro é bom, mas poderia ser melhor, ter explorado mais de seu enredo. É isso.

Vamos nos falando!

Nada mais a perder – Jojo Moyes

Editora Intrínseca, 2016, 400 p.

Olá, minha gente!

Hoje eu vim falar do livro Nada mais a perder da Jojo Moyes. Quem me conhece sabe que essa é uma das minhas autoras favoritas dos últimos tempos. Gosto da forma como ela escreve, dos enredos, da versatilidade em criar histórias e personagens imperfeitos, alguns com finais felizes, outros nem tanto. Mas o engraçado é que, em relação a esse livro, eu não me lembro de ter visto muita divulgação. A Jojo Moyes é com certeza uma das autoras mais vendidas da atualidade e me parece que alguns livros dela ficam em segundo plano. Não sei, pode ter sido só uma impressão mesmo. Enfim, vamos ao que interessa. Definitivamente, o título resume tudo. Sabem aqueles momentos da vida em que tudo vai desmoronando, uma coisa atrás da outra desafiando sua sanidade, problemas reais com pessoas, relacionamento, profissão, dinheiro, saúde e credibilidade? Então, por aí vai. São duas as personagens mais importantes desse enredo: Sarah e Natasha. Uma está enfrentando diversas situações difíceis na infância. A outra, na fase adulta. Ambas vivenciando medo, solidão, cobranças e angústias ao mesmo tempo. Adicione de um lado o amor desmedido por cavalos e muita coragem. E do outro, um belo trabalho, mas uma confiança fragilizada e uma frustração que pode repercutir em várias decisões da vida. No mínimo, da vida das duas. Apesar de tudo, elas se encontram e têm de lidar uma com a outra. Têm de sobreviver ao caos. Essa história envolve abandono, separação, obstinação e conquista. Tenho que dizer que esse é sim, a meu ver, um dos melhores livros da Jojo Moyes. Extremamente tocante, delicado e cheio de significados. Surpreendente e único. Nunca li nada parecido. Valeu cada página. Valeu toda a história.

Vamos nos falando!

Livros novos para a estante!

Oi, minha gente! Lembram que eu comentei na semana passada sobre algumas ofertas de livros em sites? Então, fiz algumas aquisições! Aproveitei um desconto de 20% que a Submarino estava oferecendo e comprei cinco livros. O primeiro foi A Livraria dos Achados e Perdidos de Susan Wiggs. Eu ouvi falar muito bem desse livro no Clube de Leitura Entre Romances e só pela capa já gostei. O segundo foi Jane Eyre de Charlotte Brontë. Esse eu comprei porque já tinha algum tempo que estava pensando em ler um clássico e achei o filme muito bom, a história bastante comovente. A edição que comprei é linda, da editora Martin Claret. O terceiro livro foi Amor em Manhattan da Sarah Morgan. Também uma indicação do clube de leitura, como um romance leve e divertido. O quarto foi Te Devo Uma da Sophie Kinsella. Esse eu escolhi por conta da autora, porque fazia muito tempo que eu tinha curiosidade de ler algo dela e finalmente decidi comprar. E, por último, o quinto livro foi Jogos Perigosos de Danielle Steel. Vi a indicação no Instagram da editora, gostei do enredo e resolvi arriscar. Espero ter feito boas escolhas! Ah, consegui frete grátis na compra, pois coloquei para retirar numa loja perto da minha casa e, além disso, a entrega foi muito rápida, sete dias apenas, lembrando que teve o feriado de carnaval no meio. Então, foi bom mesmo. Por hoje, é só!

Vamos nos falando!

Promoções!

Oi, minha gente! Eu estava pensando em comprar uns livros e hoje resolvi fazer uma busca em alguns sites para comparar os preços. Entrei nos sites da Amazon, Saraiva, Leitura, Cultura, Nobel, Americanas e Submarino. Resumidamente, posso dizer que a Amazon está com bons preços, estoque e você ainda pode conseguir frete grátis em alguns livros, na primeira compra ou assinando o Amazon Prime. Já a Saraiva, em relação aos livros que eu pesquisei, tinha muita coisa fora de estoque, mas o site está oferecendo um desconto progressivo de 10, 20 ou 30% na compra de 2, 3, 4 livros ou mais, respectivamente. Achei estranho, mas não tinha a opção de retirada em alguma livraria da rede. Faz algum tempo que não compro pelo site da Saraiva, mas já fiz diversas compras anteriormente com essa opção, o que era ótimo. Terminei não encontrando nenhuma promoção no site da Livraria Leitura. Já a Livraria Cultura, está oferecendo um cupom de 15% de desconto em todo o site, mas vou logo adiantando que os preços dos livros foram os mais altos que eu encontrei e ainda cobraram em torno de 20 reais de frete para o meu pedido, de modo que desisti logo da compra, pois não compensava nem com o desconto. Em relação à Nobel, eu sei que não é muito comum e eu não conheço pessoas que façam compras no site da livraria, mas decidi dar uma olhada porque tem uma loja da rede aqui perto da minha casa e lembrei, também, de que quando eu era mais nova essa foi a primeira grande livraria a abrir lá na cidade onde eu nasci e morava, no interior da Paraíba. Comprei muitos bons livros por lá. Pois bem, fiquei tão decepcionada, gente. Como eu disse, eu não estava esperando encontrar nada para comprar, mas o site como um todo parece que está meio abandonado. Muito triste. Fui, então, procurar no site das Lojas Americanas e vi que os preços estavam bons, mas pode ser que você venha a pagar frete mesmo colocando a opção para retirar em loja. Acho que, nesse caso, é melhor tentar a loja física mesmo. Eu já encontrei vários livros na loja com um preço ainda melhor do que no site algumas vezes. Por fim, fui pesquisar no site da Submarino e lá estão oferecendo um cupom para desconto progressivo na compra de 2 e 3 ou mais livros, com 15 ou 20% de desconto, respectivamente, além de que o frete saía em torno de 10 reais para a minha compra. Conclusão: se estiver pensando em comprar livros online, como eu, dê preferência para a Amazon, Saraiva, Americanas e Submarino, em termos de preço, frete e estoque. Eu não me preocupei em olhar o prazo de entrega, porque saindo barato eu topo esperar mais um pouquinho. Lembrando que ainda existem aqueles programas de descontos relacionados à aplicativos, com cashback e tal, mas eu não faço uso disso, então não posso falar a respeito. Se alguém tiver mais alguma notícia sobre livros em oferta por esses dias, deixa nos comentários abaixo. Desde já, agradecida!

Vamos nos falando!